A força do Agro

A força do Agro

Nesta matéria apresentamos algumas informações que comprovam a força do Agro Brasileiro está muito forte.

Em 16 de Outubro é comemorado o dia mundial da alimentação.

A força do Agro Brasileiro é comprovada através da imensa exportação de produtos, alimenta boa parte dos moradores dos principais países do Mundo.

As mudanças e investimentos realizados nos últimos 40 anos transformaram o agronegócio no Brasil em um dos pilares da economia e do desenvolvimento do país.  Além do seu impacto local, o setor também trouxe protagonismo à produção agropecuária brasileira frente ao cenário internacional. Por conta disso, o Brasil consolidou sua posição como um dos principais players do mercado global de produção e exportação de alimentos. Para se ter uma ideia, de acordo com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), em 1977, o país produzia cerca de 46 milhões de toneladas de grãos.

Em comparação, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estima que somente na safra 2022/23 o país produza mais 300 milhões de toneladas de grãos. Isso significa que nos últimos 40 anos, o Brasil aumentou sua produção de grãos em mais de 500%. Nesse mesmo período, outros produtos agropecuários brasileiros, como frango, leite e fruticultura, também apresentaram um crescimento significativo. Além de reforçar a posição do país no ranking de produção mundial de alimentos, esses dados indicam que investir em conhecimento, inovações e tecnologias no campo, é a solução ideal para superar desafios e aumentar a produtividade do agricultor.

 

 

O Brasil é um dos maiores produtores e exportadores de alimentos do mundo. Além de abastecer o mercado interno, mais de 233 milhões de toneladas de produtos agropecuários foram exportados apenas em 2022, segundo dados da CNA.  A maior parte dessa produção à China, principal importador do Brasil, além de Estados Unidos e países da União Europeia. Graças a essas negociações, a produção agropecuária brasileira impacta não só na balança comercial, mas também na geração de empregos e no desenvolvimento do país.

 

 

Os principais produtos agrícolas brasileiros
A produção agropecuária brasileira abastece tanto o mercado interno quanto o externo. Os destaques dessa produção são as commodities agrícolas, especialmente oleaginosas. Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a Safra agrícola de 2021/22, por exemplo, foi estimada em 271,2 milhões de toneladas, representando um recorde para o setor e uma alta de 5,6% em relação à safra anterior. Para entender a relevância dessas commodities para a economia do país, confira abaixo o desempenho dos principais produtos agrícolas brasileiros.

 

 

SOJA
Recentemente, o Brasil ultrapassou os Estados Unidos e se tornou o maior produtor e exportador mundial de soja, uma das principais commodities do mundo.  Hoje, a oleaginosa é considerada o principal produto agrícola brasileiro e um elemento-chave para o desenvolvimento agroindustrial no Brasil. Nos últimos 30 anos, a produção brasileira de soja aumentou mais de 500%, ultrapassando o volume de 130 milhões de toneladas na safra 2021/22. A movimentação financeira em torno da produção desse grão também impressiona.  Segundo a CNA, em 2022, foram exportados mais 78 milhões de toneladas de soja em grão, movimentando quase US$ 46,7 bilhões. No mesmo período, foram exportados mais de 20 milhões de toneladas de farelo de soja, movimentando cerca de US$ 10,3 bilhões. E os sojicultores brasileiros continuam se superando, devendo bater um novo recorde de produção em 2022/23: mais de 147 milhões de toneladas.

 

 

MILHO
O grão mais produzido  e comercializado no mundo é o milho. E isso só é possível graças a participação do  agronegócio brasileiro. Afinal, o país é o terceiro maior produtor mundial de milho, sendo responsável pelo abastecimento de 41% do mercado global. Na safra 2021/22, a produção nacional de milho atingiu cerca de 115 milhões de toneladas, destinada ao mercado interno e externo. E a expectativa é que esse número cresça ainda mais.  A Conab estima que o país produza 125,8 milhões de toneladas na safra 2022/23, o que representa um aumento de 11,2% em relação a safra anterior. Após obter significativo crescimento de produção nos últimos 20 anos, hoje, o Brasil é o segundo maior exportador de milho do planeta, movimentando mais de US$ 454 milhões.

 

 

CANA-DE-AÇÚCAR
Também é importante na pauta de exportações do agronegócio brasileiro o Complexo Sucroenergético, cujos produtos são oriundos do cultivo da cana-de-açúcar.  O Brasil é o maior produtor e exportador mundial do açúcar derivado dessa planta, além de ser o segundo maior produtor mundial de etanol. Segundo a Conab, a estimativa é que a safra 2022/23 de cana-de-açúcar supere os 598,3 milhões de toneladas. Parte dessa produção também é destinada ao exterior. De acordo com a CNA, o país exportou mais de 24 milhões de toneladas de açúcar de cana bruto em 2022, movimentando quase US$ 9,5 bilhões.

 

 

CAFÉ
Outro produto do agro brasileiro que é sinônimo de tradição é o café. O país é o maior exportador e maior produtor mundial desse produto há 150 anos.  Para se ter uma ideia da importância da produção brasileira de café, o Brasil responde por um terço da produção do planeta. De acordo com a Conab, a safra 2022 produziu mais de 50,92 milhões de sacas de café beneficiado, com uma produtividade média nacional de 27,2 sacas por hectare.  Desse total, merece destaque a produção de café tipo arábica (32,7 milhões de sacas) e tipo conilon (18,1 milhões de sacas). Ainda segundo a Conab, boa parte dessa produção é destinada ao mercado internacional. De janeiro a novembro de 2022, o Brasil exportou mais de 36 milhões de sacas de café de 60 kg, considerando a soma dos produtos verde, solúvel e torrado & moído.

 

 

A importância da produção agrícola para a balança comercial brasileira
A produção agropecuária é considerada um dos principais pilares da economia brasileira, já que representa uma parte significativa das exportações e importações do país.  o setor agropecuário registrou um aumento de 36,1% . O sucesso do Brasil na produção e exportação de produtos como soja, milho, açúcar e café não é fruto do acaso. Diferentes fatores contribuíram para o crescimento do agronegócio no Brasil ao longo das últimas décadas, como: apoio governamental; Investimento em pesquisa e desenvolvimento; incorporação de novas tecnologias e manejos produtivos; abertura de novas fronteiras agrícolas, como o cerrado e o Matopiba; Expansão da demanda externa por produtos agrícolas, além do fortalecimento da demanda interna; disponibilidade de crédito rural; surgimento interno de um setor forte de fornecimento de insumos, máquinas e tecnologias agrícolas; Produtores rurais cada vez mais interessados em inovações.

 

 

Qual é o futuro do agronegócio do Brasil?
Se nos últimos 50 anos, o agronegócio brasileiro cresceu e se tornou um importante fornecedor de alimentos e fibras para o mundo, no futuro esse processo tende a se acelerar.  Afinal, a estimativa é que o mundo atinja 9,8 milhões de pessoas até 2050. E, conforme explicado, isso vai exigir um aumento considerável da produção brasileira. Considerando os desafios mencionados anteriormente, tudo indica que os ventos que impulsionaram o agronegócio brasileiro a partir de 1970 serão outros ao longo das próximas décadas.

 

 

Agropecuária mais sustentável
As inovações científicas e o uso de novas tecnologias são essenciais para aumentar a produção, mas com maior sustentabilidade. A cobrança por atividades agropecuárias com baixo impacto ambiental e social tende a ser cada vez mais forte, especialmente por parte do mercado internacional. Além disso, a agricultura e a pecuária devem ter maior protagonismo na luta contra as mudanças climáticas. Para isso, os produtores devem incorporar práticas e tecnologias que permitam a redução das emissões de gases de efeito estufa, como plantio direto e rotação de culturas.

 

 

O setor das agrotechs vai crescer ainda mais, acelerando no agronegócio a incorporação de novas ferramentas tecnológicas.  Recursos como a ciência de dados, IoT, Big Data, robótica, veículos autônomos, Inteligência Artificial, apas e imagens de satélites e Machine Learning devem ser implementados em sintonia com um movimento ainda mais forte de transformação digital. Além dessas ferramentas, as máquinas automatizadas e teleguiadas, a individualização do gado para melhor tratamento durante a engorda, a análise dos dados por imagem com recursos da Nasa e a domesticação microbiológica são outros recursos que também que prometem modificar de vez o setor.

 

 

O agronegócio brasileiro tem capacidade para continuar protagonista no futuro
Estima-se que os alimentos embarcados pelo Brasil sejam responsáveis pela alimentação de cerca de 800 milhões de pessoas ao redor do mundo.  Mas isso só foi possível porque, ao longo dos últimos 40, 50 anos, a sociedade brasileira entendeu que investir no agronegócio no Brasil é fundamental para o desenvolvimento do país. Apesar dos avanços do setor, os desafios continuam. Como vimos, superar esses desafios exige o esforço conjunto de produtores e entidades públicas e privadas. Mas, considerando o histórico do agronegócio brasileiro, tudo indica que o Brasil tem expertise, capacidade e a acesso às ferramentas certas para reduzir esses problemas. Assim, o país poderá permanecer entre os maiores produtores e exportadores mundiais de produtos agrícolas. O agro brasileiro já está pronto para acolher outras novidades tecnológicas que estão a caminho. Afinal, temos “um mundo” para ajudar a alimentar.

Avatar

Malaquias

REVISTA DESTAQUE DIGITAL - Guia Comercial e Entretenimento. - Mala News - Notícias - Mala Hits (web radio com estilos musicais variados), - Show do Malaquias (programa de radio veiculado na Mídia Fm 87,5 Programa, 3ª, 5ª e Sábado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abrir bate-papo
1
Escanear o código
Olá 👋
Podemos ajudá-lo?